Repensando o consumo em aeroportos

Aeroportos são áreas de grande circulação de pessoas – o que gera resíduos, é claro. Todos os dias, diferentes tipos de lixo aparecem nesses locais: o de construção e demolição, o lixo verde (como plantas do jardim), materiais de limpeza, alimentos e objetos do dia a dia (como embalagens, jornais e garrafas). Ou seja, é coisa para caramba para administrar.

Enquanto muitos aeroportos pelo mundo têm buscado maneiras para gerir seu lixo de forma sustentável, vários outros ainda falham nesse sentido. Daí a importância de ser um consumidor consciente nesse tipo de local. Como passageiros de vôos, geramos os últimos tipos de lixo que citei: alimentos e embalagens, em sua maioria.

Segundo um relatório apresentado pela Administração Federal de Aviação (FAA) dos EUA, o lixo que vêm dos aviões depois dos vôos pode representar 20% do total de resíduos sólidos de um aeroporto. Vamos focar só nos copos plásticos gastos em um vôo: se um avião de 140 assentos estiver lotado e cada passageiro consumir duas bebidas em momentos diferentes, já serão 280 copos descartados. Agora imagine se cada passageiro pegar uma conexão! É de assustar.

Se isso também te incomoda, existem algumas formas básicas de contribuir um pouco menos para esta loucura.

  • Que tal chegar ao aeroporto já bem alimentado? Assim você não precisaria comprar mais comida lá (que por sinal é bem cara).
  • Levar seu próprio lanche também é uma boa para as pausas entre conexões e uma garantia de que você comerá bem.
  • Para evitar o gasto mais desnecessário de todos (com copos descartáveis) é só levar sua própria garrafa. Você não vai precisar comprar água e pode pedir para botar a bebida que quiser nela durante o seu vôo.

Olha o que eu levei para a minha última viagem:

mamão + goiaba
castanhas + abacaxi seco

 

Como tenho focado em desperdiçar cada vez menos, essa motivação virou minha realidade. Foi importante estar em um terminal lotado justamente para notar que nem todos partilham dos mesmos hábitos e ideias que eu, além de entender a importância do que tenho feito. Estou muito mais sensível a quantidade de lixo que observo por aí, e quero ter cada vez mais controle sobre o que consumo e mando para o mundo em troca.

Apesar dos meus momentos de quietude online, estou sim tentando viver sem pausas uma vida sem lixo. Essa história de escrever para outras pessoas é assustadora, mas também muito importante e prazerosa para mim 🙂 Até a próxima!